Como as fintechs estão mudando o cenário econômico?

Em um mundo cada vez mais globalizado, não há como não notar todas as transformações que nos cercam cotidianamente. E grande parte dessas transformações estão sendo causadas pelo crescimento do mercado tecnológico, que está a cada vez mais acelerado e com a proposta genuína de facilitar ao máximo a vida das pessoas.

Nesse cenário, surgiu a necessidade de utilizar toda essa ascensão tecnológica para resolver problemas básicos que incomodam e atrapalham nosso dia a dia, nossa rotina. Uma dessas necessidades é ter uma melhor disponibilidade e eficiência de serviços que envolvem a área financeira — que são extremamente necessários para qualquer pessoa, independentemente de em qual lugar do mundo ela esteja morando.

Então, várias empresas novas, com um DNA forte em inovação e tecnologia, surgiram para oferecer soluções e resolver essas necessidades que envolvem o cidadão e o mercado financeiro. E tais empresas apareceram de forma tão intensa que muitos atribuem o fato à criação de um movimento, o que deu a elas o nome de fintechs.

Se você quer conhecer melhor o assunto e entender o que são fintechs, continue lendo este post!

O que são fintechs?

O próprio termo já nos traz uma pista sobre do que se tratam essas empresas: “fin” de finanças, juntamente com “tech”, de tecnologia. As fintechs, portanto, são as empresas que atuam especificamente na área financeira, oferecendo produtos e serviços inovadores por meio da tecnologia.

As fintechs oferecem soluções alternativas aos serviços tradicionais do mercado financeiro, como, por exemplo, as instituições bancárias. Sua principal proposta é oferecer ao seu público-alvo um valor agregado por meio de ideias criativas e inovadoras, sendo que os principais objetivos envolvem reduzir burocracias, facilitar operações que podem ser simples, e trazer rapidez e comodidade para o seu consumidor.

E como as fintechs funcionam?

As fintechs estão 100% presentes na web, ou seja, são serviços oferecidos de maneira on-line e que são acessados por meio de um computador ou aplicativo de celular. Obviamente, por trás de tudo isso há um modelo de negócios, que tem como principal recurso a própria tecnologia.

Seu principal foco é atacar uma das deficiências dos serviços financeiros que são considerados mais tradicionais. Essa deficiência pode ser, por exemplo, um serviço financeiro que poderia ser bom mas que, por algum motivo, ainda não existe — ou até mesmo algo que já existe, mas que ainda é oferecido de modo burocrático e nada ágil.

Já deu para perceber que as fintechs estão utilizando a estratégia de focar em apenas uma pequena parte dos problemas dentro do universo do mercado financeiro, não é? Isso porque esses problemas apresentam uma complexidade muito grande, e atacá-los todos juntos inviabiliza a própria proposta de oferecer um serviço de qualidade.

Há também de se considerar que a adoção do serviço dessas empresas é algo simples, e, somada à proposta de resolver as dificuldades do seu público, a tendência é que o número de usuários continue a crescer rapidamente. Por isso, uma das prioridades das fintechs é ter condições de continuar oferecendo esse serviço, fácil, inovador e, principalmente, com qualidade para um volume alto de pessoas.

A Nubank, por exemplo, escolheu focar somente na insatisfação do consumidor com as opções atuais de cartão de crédito, oferecendo um cartão de fácil acesso e com muitos benefícios, tais como a possibilidade de realizar transações internacionais, e sem a taxa de anuidade — com o “plus” de poder acessar todas as informações e transações do cartão por um simples aplicativo de celular.

Qual é o impacto das fintechs na economia?

Diante de tudo isso, é óbvio que os negócios tradicionais estão sendo muito afetados por esse movimento. Tendo como referência a opinião dos próprios bancos tradicionais, um estudo da PWC aponta que, em um prazo de mais ou menos 5 anos, as fintechs podem colocar em risco 23% desses negócios.

A realidade é que os respectivos modelos de negócio ainda são arcaicos e geram um grande descontentamento em boa fração dos consumidores, que já não aguentam mais gastar grande parte da sua energia em ações, como se deslocar fisicamente até agências bancárias a fim de resolver questões que são consideradas pequenas e burocráticas, por exemplo. Com as fintechs, esse tipo de gasto de energia e tempo se mostra cada vez menos necessário, o que proporciona uma maior satisfação do público-alvo em cada interação com os serviços oferecidos.

Mesmo assim, ainda há várias oportunidades para as instituições tradicionais. Uma delas é a possibilidade de estruturar melhorias em seus serviços, tomando como inspiração as próprias fintechs. Nesses casos, o principal desafio é conseguir ganhar mais agilidade, realizando, principalmente, mudanças em sua estrutura de funcionamento — que, muitas vezes, já está ultrapassada — a fim de proporcionar um maior contentamento do consumidor com os seus serviços.

Outra oportunidade, que não deve ser descartada, é a possibilidade de ter as próprias fintechs como parceiras. Dessa forma, é possível tê-las como aliadas no mcerado, para que, juntas, todas possam propor um serviço completo para o consumidor, unindo conhecimento de mercado a inovação e tecnologia.

Como está o cenário atual para as fintechs?

O cenário atual é bem animador para as fintechs — não é à toa que elas chamam tanta atenção no mercado financeiro, como já dissemos. E isso só está sendo possível graças à atitude corajosa dessas empresas em levar a inovação para o mercado, que estava, até então, tomado somente pelo monopólio das grandes instituições mais tradicionais, com uma proposta de serviço ultrapassada.

Por tudo isso, a principal perspectiva futura é que as fintechs sirvam como uma inspiração cada vez mais forte para que surjam mais empresas dispostas a trabalhar dessa maneira, focando em soluções reais para o consumidor a fim de resolver todos os problemas que existem no mercado financeiro por meio da tecnologia e inovação.

No fim das contas, quem ganha com tudo isso é o público, que terá cada vez mais opções simples para resolver seus problemas e melhorar seu dia a dia. E então, gostou desse post? Agora que já sabe o que são fintechs, deixe seu comentário e nos conte o que achou mais interessante nesse modelo de negócios!

Um comentário

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo