Inovação corporativa: erros que você não deve cometer

lampada quebrando

Uma das principais tendências dessa década no mundo corporativo é o incentivo à inovação. Com o boom da internet em alta velocidade, a popularização dos smartphones e a criação de uma série de novas tecnologias (como o cloud computing e o big data), companhias encontraram novas formas de fornecer serviços ao seu público, mais convergentes e dinâmicas. Elas são fundamentais para manter a lucratividade de empreendimentos, especialmente em países com um mercado interno como o brasileiro.

Para manter-se à frente de sua concorrência, líderes empresariais investem em uma série de rotinas, modelos de negócio e políticas de gestão que visam melhorar a forma como os serviços internos são executados. Junto a eles, também são adotados os programas de inovação interna.

Esses processos impactam diretamente no trabalho de todos os colaboradores, viabilizando a criação de soluções mais inovadoras, com índices de erros menores e mais adequadas para o público-alvo com que a empresa atua.

Entretanto, se o incentivo à experimentação e à inovação é apontado por vários especialistas como uma forma de manter uma empresa competitiva, eventuais falhas na adoção desse tipo de projeto podem causar problemas graves para a empresa. Um programa de inovação, para dar certo, deve contar com um planejamento abrangente, incentivo da parte dos gestores, ferramentas corretas e um trabalho integrado entre todos os profissionais da empresa.

Dessa maneira, um programa de inovação catalizará todo um novo fluxo de trabalho, com custos operacionais reduzidos e alto nível de competitividade. Isso permitirá que a expansão para novos mercados seja feita mais rapidamente, atingindo um número maior de consumidores.

Evitando erros durante a implementação de um programa de inovação, a empresa conseguirá impactar o seu público-alvo com um portfólio realmente competitivo. Seus processos internos se adaptarão melhor às mudanças do mercado, permitindo que líderes consigam modificar suas estratégias sempre que for necessário. Ficou curioso? Quer saber quais são as maiores armadilhas durante a implementação de um programa de inovação? Então leia o nosso texto de hoje e aprenda a evitar cada uma delas!

Por que a maioria dos programas de inovação falha

Programas de inovação podem falhar por várias razões. Falta de alinhamento de expectativas, métricas que não correspondem às necessidades e capacidades dos profissionais envolvidos nos projetos e falta de comprometimento, por exemplo, estão entre os principais motivos que podem levar ao fracasso de um programa de inovação.

A ausência de comprometimento e abertura de líderes e gestores com as novas medidas, por exemplo, contribui para que outros profissionais não fiquem motivados a testar novos projetos. Ainda que a ideia seja boa, muitos colaboradores podem acabar considerando que não vale a pena divulgar uma nova técnica de trabalho por temer que ela será recusada rapidamente.

Já o uso de metas que não estão alinhadas com os objetivos da empresa ou com a capacidade dos profissionais pode ser ainda mais danoso. Se forem muito elevadas, elas podem aumentar o número de erros e o grau de frustração de colaboradores, que vão trabalhar em níveis acima daqueles que são os recomendados para cumprir os objetivos. Muito baixas, elas podem criar uma falsa sensação de qualidade e impedir uma melhora real da empresa.

A falta de suporte também pode surgir por meio da disponibilização das ferramentas incorretas para que profissionais possam testar as suas ideias. Um ambiente inovador não pode ser feito sem que profissionais consigam avaliar as possibilidades de sucesso dos seus projetos, e isso só é possível quando eles dispõem dos recursos adequados para a análise de suas iniciativas.

Quais são os principais erros de inovação cometidos pelas empresas

O programa de inovação é feito para que a empresa possa aplicar um conjunto de intervenções em suas rotinas operacionais que desencadeie processos mais inovadores. Nesse sentido, é importante que os profissionais envolvidos atuem com uma única estratégia, que impacte toda a cultura interna, assim como os principais objetivos do negócio.

Entretanto, falhas durante as etapas iniciais da implementação do projeto de inovação podem impedir o sucesso das iniciativas adotadas pela empresa. Elas podem surgir diante da falta de capacidade de líderes em incentivar a adoção da nova cultura corporativa, disponibilizar os recursos necessários ou mesmo monitorar o sucesso do programa no médio e no longo prazo. Entre os principais erros que podem ser cometidos, podemos destacar:

Exigir que empregados criem novos produtos sem disponibilizar mecanismos que permitam isso

O incentivo a processos operacionais mais inovadores não é feito apenas com belos discursos ou vídeos motivacionais. Empresas devem disponibilizar métodos para que os seus profissionais consigam dedicar parte do seu tempo dentro do ambiente criativo a iniciativas disruptivas.

Além disso, gestores e líderes empresariais devem estar abertos às novas iniciativas que forem propostas por seus colaboradores. Caso contrário, a companhia acabará com uma lista de projetos e ideias que nunca foram pra frente. Naturalmente, isso não deve ser visto, também, como um incentivo para que qualquer proposta seja aceita. Ainda que sejam criados canais para que pessoas possam divulgar os seus projetos, é importante que as ideias sejam submetidas a uma avaliação de viabilidade.

Buscar a resolução de problemas que não existem

Uma ideia inovadora pode ser definida como uma iniciativa ou projeto disruptivo que agrega valor a um produto ou processo interno de uma empresa. A única forma de uma empresa conseguir tornar uma iniciativa em algo que possa melhorar efetivamente o ambiente corporativo ou os seus serviços é replicando as propostas que solucionam problemas reais.

Incentivar a experimentação é algo que deve ser feito constantemente. No entanto, quando isso é feito sem critérios, a empresa pode acabar desperdiçando recursos e não atuando naquilo que a afeta de verdade. Os problemas que um programa de inovação pode solucionar são variados e vão da entrada em novos mercados até o engajamento dos profissionais. Em todos os casos, quanto mais preciso for o objetivo de uma iniciativa, melhor.

Incentivar a experimentação ao mesmo tempo em que pune falhas comerciais

Não há como inovar mais sem que a empresa se submeta a erros. Em vários locais, erros são vistos como acontecimentos graves, que devem ser evitados a todo custo. Para que a empresa possa inovar de verdade, é fundamental que os profissionais sejam incentivados a tratar o erro como um processo que gera aprendizado e garante a melhoria contínua nos serviços e produtos que estão sendo desenvolvidos.

Não criar ambientes para que funcionários possam testar ideias

Processos que levam ao aumento do grau de inovação dentro do ambiente corporativo devem incluir a criação de ambientes que permitam a avaliação e o teste de novas ideias. Uma empresa de desenvolvimento de TI, por exemplo, pode criar máquinas virtuais em que os seus developers possam verificar a eficácia de um método ou processo de desenvolvimento. Dessa forma, um colaborador poderá avaliar rapidamente como a sua ideia vai afetar o ambiente corporativo.

Não dedicar bons recursos para as melhores ideias

Buscar mais inovação é algo que envolve trabalho pesado. Ainda que o investimento em processos disruptivos gere receitas sustentáveis no médio e longo prazo, é importante que a empresa disponibilize os recursos necessários para que as melhores ideias sejam adotadas em larga escala. A falta de comprometimento, muitas vezes, é o que leva uma empresa a não conseguir replicar boas práticas.

Demandar ideias disruptivas sem canalizar recursos financeiros para a execução

Várias empresas tratam os seus investimentos financeiros com uma grande burocracia. Em tempos de crise econômica, especificamente, não é raro vermos companhias postergando iniciativas de alto risco. Nesse cenário, é importante que líderes empresariais continuem redirecionando recursos para que práticas inovadoras sejam replicadas, aumentando o potencial de sucesso de uma boa ideia.

Como erros podem ser evitados

Evitar erros durante o processo de implementação de um programa de inovação é algo fácil de ser feito. Com um pouco de planejamento, profissionais podem modificar as suas rotinas e criar uma nova cultura empresarial, que tenha mais espaço para ideias disruptivas e flexíveis. Entre as principais medidas necessárias para evitar problemas durante a adaptação da empresa a um programa de inovação, podemos destacar:

Manter expectativas alinhadas

Em várias áreas, projetos acabam fracassando por não atenderem às expectativas dos profissionais neles envolvidos. Nesse sentido, é importante que a empresa consiga alinhar o que cada pessoa envolvida na iniciativa de um projeto de inovação espera, criando um ambiente onde todos conseguem trabalhar em prol de um objetivo em comum.

Incentivar a visualização do erro como uma forma de aprendizado

A criação de um ambiente que estimula a experimentação deve passar pelo incentivo à tentativa e a visão do erro como uma possibilidade de aprendizagem. Nesse sentido, é importante que os profissionais não sejam culpabilizados quando uma nova ideia não atingir os objetivos desejados. Pelo contrário: gestores devem incentivar que as falhas sejam tratadas como uma oportunidade para o aprendizado e a busca por formas de trabalho mais eficazes.

Comprometer o máximo de pessoas possível no programa de inovação

Um programa de inovação só pode ser escalado por toda a cadeia interna se uma empresa estiver comprometida a trabalhar em prol do seu sucesso. O incentivo ao uso de novos métodos operacionais deve ser feito em todos os níveis da empresa, dos líderes empresariais aos estagiários. Assim, todos podem atuar juntos para tornar os processos internos mais eficazes.

Testar sempre

A criação de um ambiente voltado à busca por novas ideias deve incluir, necessariamente, ferramentas que permitam o teste de cada iniciativa proposta pelos profissionais do empreendimento. Isso pode ser feito de várias formas. Empresas voltadas para a oferta de serviços digitais, por exemplo, podem criar máquinas virtuais para que os seus desenvolvedores avaliem a viabilidade de seus projetos. Assim, o impacto de um novo projeto dentro do ambiente operacional será minimizado caso algo de errado ocorra.

Disponibilizar um tempo para que pessoas possam investir em novas iniciativas

Um programa de inovação não deve ficar restrito a vídeos e mensagens bonitas: o seu sucesso depende, também, do tempo que cada profissional pode investir em suas ideias. Nesse sentido, líderes devem atuar para que todos os seus colaboradores possam dedicar parte do seu tempo de trabalho para a busca por rotinas e produtos que melhorem o ambiente corporativo ou tragam novas receitas.

Trabalhar com o planejamento voltado para o futuro

Uma cultura de inovação não deve atuar somente nos problemas do presente, mas também nos do futuro. Para que a empresa possa implementar novos processos com sucesso, ela deve sempre levar em conta os objetivos de mercado do empreendimento de médio e longo prazo.

Inovação não é algo que ocorre da noite para o dia. Ela exige um trabalho árduo de várias pessoas e, dessa forma, elas devem pensar as suas iniciativas como projetos de longo prazo, que impactarão as receitas de uma empresa por vários anos.

O que é preciso para adotar a inovação corporativa com sucesso

A adoção de um programa de inovação deve envolver várias etapas para que as suas chances de sucesso sejam altas. O primeiro passo é a identificação dos objetivos que ela espera alcançar com ele. Eles definirão todas as etapas seguintes e a forma como os profissionais serão guiados.

As metas devem ser alinhadas entre os principais profissionais que estão envolvidos com o programa de inovação. O alinhamento com o mercado também é importante, uma vez que o público-alvo do empreendimento será afetado diretamente pelas medidas tomadas pela companhia.

Os objetivos devem envolver todos os setores da empresa. Eles podem incluir (mas não se limitar a) o aumento do engajamento de colaboradores, das receitas financeiras e mesmo a melhoria contínua dos níveis de produtividade da companhia. Lembre-se: um programa de inovação não deve ser voltado apenas para a criação de serviços e produtos disruptivos para o mercado, mas também para o incentivo de novas ideias que otimizem os processos operacionais internos.

Conforme a expansão do programa de inovação for realizada, os objetivos podem ser revistos. Dessa forma, gestores poderão garantir que cada métrica estará alinhada com o perfil do setor ao qual ela se aplica.

Prazos, da mesma forma, devem variar conforme o número de profissionais e de processos burocráticos que estiverem envolvidos em cada etapa. Assim como os indicadores, deadlines mal definidos podem prejudicar a forma como a cadeia operacional de uma companhia funciona e piorar a qualidade de seus serviços internos.

No curto prazo, as métricas devem envolver o período necessário para a adaptação dos primeiros funcionários que farão parte do programa de inovação. Uma vez que a empresa consiga avaliar a viabilidade e identificar a melhor forma de solucionar os problemas de seu programa de inovação, gestores devem pensar nos detalhes que envolvem os objetivos de médio e longo prazo.

Para que o projeto seja levado a todos os setores, a sua expansão deve ser feita gradualmente. Verificando o que pode ser melhorado continuamente, por exemplo, a empresa conseguirá manter o seu programa de inovação viável em vários setores.

Uma vez que o programa tenha sido levado para vários setores, o empreendimento deve começar a planejar formas de mantê-lo viável a longo prazo. O ideal é que todas as ferramentas e processos que envolvem o programa já estejam amplamente estabelecidos. Dessa forma, a maior preocupação dos líderes empresariais será avaliar a melhor forma de manter a cultura de inovação integrada ao core business da corporação.

Aprenda com os erros de grandes empresas

Quando uma empresa olha para a sua concorrência, ela não deve buscar apenas o conhecimento de como outros market players atuam, mas também entender o que pode fazer com que iniciativas interessantes fracassem ou redefinam os padrões de um setor da economia. No caso dos programas de inovação, a troca de informações com outros empreendimentos é uma forma eficaz e prática de garantir o sucesso da iniciativa.

Esse tipo de estratégia facilita a preparo da empresa para os desafios da adoção de um programa de inovação. Cases de sucesso estão espalhados por todo o mercado e é possível buscar aqueles que se adaptam melhor ao perfil do seu negócio.

Nesse sentido, aqueles que representam falhas devem ser avaliados de ponta a ponta para que os mesmos erros não sejam cometidos pelos profissionais responsáveis pela implementação do programa de inovação dentro do seu ambiente corporativo. Já os casos de sucesso devem ter as suas melhores iniciativas replicadas, potencializando as chances de êxito do  seu programa de inovação.

Um exemplo famoso é o da Multinacional Cisco. O programa de inovação da empresa envolveu mais de 50 mil colaboradores espalhados por todo o planeta. Juntos, eles conseguiram criar 5 mil ideias, que foram coletadas em uma plataforma criada especificamente para o projeto.

A escala do programa não impediu a empresa de dar prosseguimento à iniciativa. Ao todo, mais de 90 iniciativas, voltadas para a resolução de 31 desafios, foram selecionadas e implementadas em toda a cadeia operacional da companhia. Hoje, o impacto do programa de inovação da Cisco está estimado em $ 79 milhões de dólares, com a possibilidade de esse valor subir para mais de $ 100 milhões de dólares até o final do ano fiscal.

A chave para o sucesso, nesse caso, vai além da necessidade de mostrar como o programa vai gerar valor para os serviços da empresa. Líderes empresariais e funcionários de vários setores tiveram que ser convencidos da viabilidade do projeto, uma vez que isso era fundamental para garantir o seu engajamento. Assim, com o comprometimento de pessoas localizadas em 96 países, a Cisco conseguiu ter processos mais inovadores e eficazes.

Uma empresa pode definir as suas estratégias de 2 formas: com foco no ambiente interno ou voltada para o seu público-alvo. As abordagens voltadas para o ambiente corporativo muitas vezes focam em formas de incentivar profissionais a trabalharem mais e melhor; já as estratégias empresariais voltadas para o mercado são focadas, principalmente, na melhora dos serviços e produtos que são fornecidos aos consumidores e parceiros comerciais.

Em ambos os casos, o programa de inovação pode ser aplicado. Em um mercado no qual a mudança ocorre em uma velocidade nunca antes vista, empresas de várias áreas se veem obrigadas a flexibilizar rotinas, tornar serviços mais convergentes e reavaliar a forma como definem os seus objetivos.

Inovar já não é visto mais como uma maneira de manter-se presente no mercado. Hoje, criar ferramentas, plataformas e serviços disruptivos é uma questão de sobrevivência e, não raro, empreendimentos que não conseguem manter-se inovadores perdem competitividade frente aos seus concorrentes.

Nesse cenário, toda empresa que busca formas de permanecer competitiva no médio e longo prazo deve considerar o incentivo à construção de novos padrões, à experimentação e ao aprendizado pelo erro. Isso será feito por meio de um modelo de negócios que é aberto a feedbacks, que capture boas práticas no mercado e facilite a replicação de projetos realmente efetivos criados por colaboradores e parceiros comerciais.

Entretanto, para que rotinas disruptivas sejam efetivamente replicadas e tragam retorno, a empresa deve evitar uma série de erros. O incentivo a uma abordagem que considera as falhas uma fonte de aprendizagem, por exemplo, é indispensável. Da mesma forma, gestores e líderes devem disponibilizar o suporte necessário para que todos os profissionais consigam avaliar a viabilidade de suas ideias.

Feita da forma correta, a criação de um programa de desenvolvimento pode maximizar as chances do sucesso futuro do empreendimento. As abordagens de mercado passarão a atender melhor às necessidades dos consumidores. O modelo de negócios será reformulado por meio da abertura a feedbacks e pelas novas formas de realizar atividades cotidianas.

Uma vez que o programa de inovação tenha sido adotado por toda a empresa, processos deverão ser implementados para garantir a sua manutenção no longo prazo. Os profissionais envolvidos na criação de novas ideias devem ser consultados para o alinhamento de metas e o incentivo a manutenção do seu grau de engajamento. A abertura a insights diversos deve ser mantida e, da mesma forma, informações devem ser trocadas para que todos os processos mantenham-se em melhoria contínua.

Dessa forma, a empresa poderá aumentar o grau de competitividade dos seus serviços e produtos continuamente, mantendo receitas e os níveis de satisfação de consumidores altos no médio e no longo prazo.

E ai, gostou do nosso texto? Então assine a nossa newsletter agora e fique por dentro das últimas novidades sobre inovação no mundo corporativo!

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

topo